terça-feira, 24 de Dezembro de 2013

Feliz Natal!




segunda-feira, 28 de Outubro de 2013

Resiliência




"Uma pérola é o resultado da reação da ostra 
à agressão de um grão de areia". 
Boris Cyrulnik

Assim também é a resiliência...

Ser resiliente é ser capaz de lidar com problemas, de superar obstáculos, de resistir à pressão de situações adversas através da flexibilidade mental, emocional e comportamental.

Depois de toda a tempestade que tem sido este mês, estou na fase em que procuro manter-me à tona no meio deste mar revolto.

Resistir e não desistir!

Não vou desistir, ainda que muitas vezes a vontade possa ser contrária quando olho para as "pequenas" contrariedades que tenho em mãos...

1) Um horário bastante incompleto a 300 e muitos quilómetros de casa e um salário que mal dá para cobrir as despesas de alojamento, viagens, alimentação e despesas pessoais. Ao contrário do que muitos pensam, os professores não têm quaisquer ajudas de custo quando vão para longe da sua área de residência. Atualmente eu e muitos trabalhamos unicamente para o tempo de serviço e por amor à profissão.

2) Alunos complicadíssimos, cheios de problemas disciplinares e de formação. 

3) Demasiadas horas em viagens todas as semanas para ir a casa e voltar. Malas vazias, malas cheias. Sempre as malas para a frente e para trás.

4) Uma correria desenfreada e um esforço enorme para conciliar a nova vida com um recente projeto académico, iniciado ainda antes de ter sido colocada. Mais uma carrada de horas em formação todas as sextas e sábados. Se os fins de semana já eram curtos...

5) Fins de semana que passam por mim à velocidade da luz. O tempo para estar com os meus é cronometrado ao minuto e ao segundo sem o mínimo de exagero à mistura.

6) As saudades que crescem no peito, apertam o coração e nos enchem os olhos de maresia. 

E como é que se lida com tudo isto? 

Primeiro, tenho a sorte de ter pessoas ao meu lado que me amam e apoiam incondicionalmente as minhas decisões. É incrivelmente mais fácil encher-me de força e ser corajosa.

Segundo, pensando de forma otimista e tentanto dominar as minhas emoções, ao invés de deixar que elas me dominem a mim. Pensar que isto é só uma fase, mais uma experiência a somar ao meu currículo de experiências.

Terceiro, controlando os impulsos negativos e combatendo ideias pessimistas como desistir ou achar que não serei capaz.

Quarto, transformando as minhas fraquezas em motivações e acreditando que todo o meu esforço valerá a pena.

Quinto, focando-me em objetivos muito claros e concretos.

Sexto, gostando de mim, da pessoa que sou e cuidando do meu bem-estar físico e emocional.

Desde há uma semana que me tenho dedicado de alma e coração a estes exercícios na procura do meu equilíbrio interior.

E assim como a ostra tem a capacidade de transformar um áspero grão de areia em algo de valioso, também eu procuro nesta fase encher-me de força e transformar as adversidades em vitórias pessoais.

Obrigada pelo carinho e força que me têm dado.

Vocês são incríveis! :)

quinta-feira, 17 de Outubro de 2013

A vida...

imagem retirada da internet

Tenho saudades deste lugar que de um momento para o outro ficou ao abandono e coberto por um silêncio total.

Isto não está a ser fácil, para não dizer que está a ser para lá de difícil.

Mal tenho tido tempo para respirar e as saudades de casa e dos meus são mais que muitas.

Ao fim de 5 anos nunca imaginei que custasse tanto voltar a viver uma vida a prazo. Desabituei-me!

De repente a minha vida já não é nada do que era... 

Em menos de duas semanas perdi mais peso do que o desejável. Não por efeito de dietas, exercícios ou planos alimentares... O stress e outras coisinhas mais têm feito mais do que o desejável. 

Neste momento só me apetece que o tempo voe e que tudo isto acabe rápido.

Peço desculpa, por ainda não ter conseguido responder-vos.

Preciso de entrar na rotina dos dias, naqueles mais tranquilos e sem grandes agitações e balanços.

Preciso de me encontrar e voltar ao epicentro de mim mesma.

Preciso de gostar um bocadinho disto, destas novas experiências...

Nada disto está a ser fácil, mas quem disse que viver é fácil...

Obrigada pelas palavras amigas que me têm deixado e enviado. Não imaginam o quão preciosas têm sido.

Beijinhos carregados de saudades.


sábado, 5 de Outubro de 2013

A vida é sempre tão cheia de mudanças...

imagem retirada da internet

Nesta última quarta-feira soube que vou voltar ao ensino. Vou voltar a dar aulas. Voltar a ter salas cheias de alunos. 

Em 48 horas a minha vida deu uma volta e girou vezes sem conta.

Esta segunda começo a dar aulas a 335 km de casa e a viver num Algarve já com cheirinho a Espanha.

P.S. Logo que tenha tempo, e entre numa certa rotina, responderei às vossas questões e e-mails. 

Obrigada pela vossa compreensão.

Beijinhos e continuação de um excelente fim de semana.

quarta-feira, 2 de Outubro de 2013

Proibida de entrar na Zara Kids

Proibi-me a mim mesma de entrar na Zara Kids nos próximos tempos.

Que desgraça que está esta nova coleção! 

Entro lá e não consigo vir de mãos a abanar. 

Se os pré-adolescentes fogem deste lugar, como o diabo da cruz (não vá dar-se o caso de serem confundidos com os miúdos)...porque hei de eu, mulher feita e trintona, andar a bisbilhotar a roupa de criança?

Toma juízo, Luarte! (oh pra mim a tentar dissuadir os meus ímpetos!)

Depois das camisolas já vieram as botas e o casaco. 

A culpa não é bem minha... (e eu outra vez a dar-lhe...)

As botas foi a Maria João que me atiçou quando mostrou as dela (aqui)... 

Umas botas de borracha pretas, simples e discretas, a dar com calças, com vestidos, com tudo e mais um "par de botas" :) Se nas fotos já lhes tinha achado graça, quando as vi ao vivo fiquei pelo beicinho. Eram os acabamentos, o corte do cano, o detalhe da fivela e o preço tão simpático.. não havia como resistir. E para este tempo invernoso de chuva e vento não há melhor calçado. Foi por um triz que não as perdi. Nas lojas onde fui já não consegui encontrar o meu número. Valeu-me a Zara Online para me fazer contente :) 




O casaco... é o meu primeiro casaco de pêlo. Com um corte clássico, intemporal e muito vintage. Numa cor crua a dar com tudo. Quentinho e fofinho e ainda com aquele toque glamouroso. Podia lá eu perder a oportunidade de trazer uma pecinha tão catita e que tão bem ficaria com gangas ou aquelas roupas mais janotas. Não me ia perdoar se o deixasse ficar para trás.




Tanto as botas como o casaco são bem mais giros ao vivo. E o problema é mesmo esse, é ter-lhes metido os olhos em cima, ao vivo e a cores, e ter ficado a modos que e a aguar. No fundo, no fundo o problema é ser gaja e gostar de compras. Esse é que é o real problema!

Bem, vou entrar em jejum. Vou entrar na fase do Ramadão do Vestuário e Calçado. Tenho dito!

terça-feira, 1 de Outubro de 2013

A minha endometriose e os chás

Sou cada vez mais adepta do uso de produtos naturais em prol da saúde e do bem estar.

Ainda no ano passado, acredito que foi à conta da toma de chás que me livrei de uma cirurgia à minha muito estimada endometriose.

O alvo eram dois endometriomas bilaterais que tenho nos ovários. Para quem não sabe, endometriomas são quistos de sangue, também conhecidos por quistos de chocolate, devido ao seu aspeto castanho escuro. 

Assim que os resultados confirmaram que os endometriomas tinham aumentado de tamanho, perguntei à minha médica se não havia nenhum medicamento que os pudesse reduzir, evitando partir já para cirurgia.

Sugeriu-me então uma medicação intramuscular e apanhei com 3 injeções, com a duração de 1 mês cada.

Ao fim deste tempo, e com novos exames prontos, os resultados não foram animadores. Os teimosos dos endometriomas não reduziram praticamente nada.

Já não havia muito a fazer e a conversa da cirurgia voltou à discussão.

Entretanto fiz os exames pré-operatórios e já só faltava ir à consulta para agendar a data e combinar todos os restantes pormenores com a médica.

Nesse espaço de tempo pesquisei e li muito sobre plantas medicinais que me pudessem ajudar na endometriose e encontrei informação acerca de umas ervinhas com efeitos muito benéficos para a endometriose e outras doenças ginecológicas, como miomas, ovários poliquísticos, etc... 

Fiquei tentada a experimentar, mas não sei antes falar com a médica. Tinha receio de partir para a toma de outras coisas sem o conhecimento médico, e dos possíveis efeitos secundários que daí pudessem surgir.

Eu estava disposta a fazer qualquer coisa só para não ter de me sujeitar a mais uma cirurgia. Mais uma cirurgia complicada, porque por mais simples que pudesse ser, no meu caso sei que não seria,  a avaliar pelo meu historial clínico para lá de complicado e pelas próprias opiniões médicas.

Nessa consulta fui franca com a médica e disse-lhe que não tinha vontade nenhuma de ser operada. Não queria ser operada. Pelo menos para já. Fui clara e o mais objetiva possível. Se os endometriomas não me trouxessem riscos acrescidos para a saúde, viveria muito bem com eles e assumiria as consequências disso.

Aproveitei e falei-lhe do que tinha lido acerca dos chás. Tal como já estava à espera, ela desvalorizou, mas também não me disse para não os tomar. Saí da consulta com a cirurgia adiada e a combinação que daríamos mais um tempo. A próxima consulta seria dali a 3 meses com os resultados de novos exames. E nessa altura tomava-se a decisão do que fazer a seguir.

Fui à Antiga Ervanária, em Lisboa. Falei com a pessoa que me atendeu, disse-lhe ao que vinha e referi o nome das ervas.

Na ervanária disseram-me como haveria de tomá-las e aconselharam a acrescentar mais uma planta às anteriores.

Ao fim dos 3 meses de toma diária, e com novos exames feitos, a médica mostrou-se contente com os resultados e eu ainda mais. Os endometriomas estavam mais pequenos. Segundo ela, deve ter havido um efeito retardado das injeções que fiz durante 3 meses. Já eu acho e acredito que foram os chás que me ajudaram.

Continuo a tomar os chás, a ser vigiada e a fazer exames de diagnóstico. De cada vez que os faço os resultados são sempre melhores. A médica é da opinião que possa ter que ver com a pílula continua e eu acho que é pouco provável, porque pílula contínua (sem dias de paragem ou descanso) já eu faço há muito tempo. Continuo a acreditar que os novos resultados devo-os aos meus remédios caseiros (não deixei, nem deixo de tomar a pílula contínua).

Na minha bancada da cozinha repousam religiosamente os meus 3 frascos de ervas. Os nomes são sugestivos e imediatamente remetem para uma qualquer poção mágica: Unha de Gato, Uxi Amarelo e Graviola. Acredito que esta tem sido a minha poção mágica.


Em casa faço tal e qual como me recomendaram na ervanária. Fervo 1 litro de água e depois acrescento uma colher de sopa de cada uma das três espécies de planta e deixo repousar. Depois vou bebendo o chá ao longo do dia.

E é este o meu medicamento natural para a endometriose desde há ano: 1 litro de chá por dia.


Bem sei que sendo portadora de uma doença crónica não estou à espera de encontrar a cura milagrosa. Mas se estiver ao meu alcance poder reduzir os estragos que esta doença me tem feito e impedi-la de novos desenvolvimentos, e até limitá-la nas suas manisfestações, não vou poupá-la. Prefiro apostar nas intervenções menos invasivas, do que andarem constantemente a mexerem-me e a revolverem-me as entranhas.

P.S. Atenção que o uso de plantas naturais não está isento de contra-indicações e não dispensa a consulta de um médico ou outro especialista.

Beijinhos e uma boa terça-feira.

segunda-feira, 30 de Setembro de 2013

Na procura do peso ideal (resultados da 4ª semana)


E passou um mês!

E finalmente desci da casa dos 58 para a casa dos 57 quilos!!!!

Esta semana dei no duro no exercício físico. Juntei-me ao P. nos exercícios de puro cadiofitness. Ele chega do trabalho e são 40 minutos de pura tareia entre o sofá e a televisão. Estando os dois no mesmo registo é muito mais fácil porque um puxa pelo outro.

Tenho cá para mim que foram as 5 sessões do programa Insanity Workout que me ajudaram a baixar o peso.

Para quem não conhece, o Insanity Workout é um programa de 60 dias de aulas, criado pelo personal trainer Shaun T. Os exercícios são muito intensos, com muitos pulos, muitas flexões, muito trabalho do abdomen, das pernas do rabo... tudo mexe sem se utilizar nenhum tipo de aparelho ou equipamento. A ideia é fazer 6 dias por semana e seguir um calendário onde existem aulas de recuperação, conselhos de nutrição etc...

O programa de aulas é vendido em Dvd's pela Beachbody (aqui), mas também está disponível na internet através torrents.

No fórum "A nossa vida", por exemplo, podem ver algumas opiniões de quem já o experimentou (aqui). E no youtube, então, encontram carradas de vídeos de testemunhos com imagens do antes e do depois.

Cá em casa estas sessões têm sido feitas ao final do dia. Não estamos a seguir nenhum calendário. Não sei se vou conseguir manter doravante o ritmo desta semana que passou, mas vou tenta cumprir no mínimo 2 vezes por semana.

A ideia não é fazer o programa à risca. Faço cada aula até ao fim e acompanho como consigo. Acho difícil manter este ritmo tão intenso. Mas se conseguisse  implementar o hábito de fazer algum exercício intensivo todas as semanas seria excelente.

Passemos então aos valores:

Resultados semanais anteriores:

Peso: 58.3 kg
Massa Gorda: 31%
Massa Líquida: 50.3%
Músculos: 33.7%
Peso Ideal: 54.3 kg

Resultados semanais atuais:

Peso: 57.8 kg
Massa Gorda: 30,6%
Massa Líquida: 50.6%
Músculos: 33.8%
Peso Ideal: 54.3 kg

Quanto à alimentação, e como tenho frisado várias vezes, não me tenho proibo de nada, mas noto que naturalmente sinto graduais mudanças em mim e naquilo que me apetece comer. 

À noite, ao jantar, tenho ingerido cada vez menos hidratos de carbono. Uma a duas colheres de sopa tem-me chegado. Sinto o apetite a diminuir. Há dias em que nem sequer me apetece incluir hidratos de carbono ao jantar. 

Como me tem apetecido muito mais peixe que carne, tenho feito peixe no forno e acompanho com legumes.

Esta semana comecei a acrescentar gengibre ralado aos meus batidos. Fica um sabor tão bom :)

Sopinhas venham elas que eu gosto muito :)

Não me cheguei a medir com fita métrica, mas mesmo a olho nú sinto menos volume corporal.

Bem sei que o peso só tem relevância quando existe uma tendência a longo prazo. As alterações de peso que se verificam a curto prazo, são provocadas, geralmente, por uma perda de líquidos.

Mas seja como for, por aqui a motivação continua em alta. E agora que passei para a casa dos 57 quilos vou ver se consigo manter e daqui a uns dias ir um bocadinho mais longe ;)

Beijinhos e boa semana.

sexta-feira, 27 de Setembro de 2013

Gengibre: um verdadeiro medicamento natural

Na semana passada estive adoentada. E com o organismo mais débil, foi um pulinho para ficar com dores de garganta.

Em conversa ao telefone com uma amiga, muita dada a remédios naturais, ela aconselhou-me chá de gengibre e a mascar minúsculas lascas desta raiz.

Disse-me que lá em casa nunca falta raiz de gengibre no frigorífico para curar todas as maleitas. E acrescentou que foi o que lhe valeu durante o período de gravidez. Curou praticamente todas as doenças, que foram surgindo durante esta fase, com o gengibre, inclusivé os populares enjoos. E para terminar a publicidade, rematou que toda a família já se rendeu a este remédio natural.

Convenceu-me a experimentar!

E convenceu-me bem, pois que bastou um dia entregue aos cuidados do gengibre para me pôr fina :)

Fiquei fã do gengibre! 

imagem retirada da internet

Mas li, já depois da minha cura, que gengibre ralado e misturado com uma colher grande de mel, traz alívio imediato à dor de garganta (é sempre bom saber estas coisas).

Porém se há alimentos em que se perdoa o mal que faz pelo bem que sabe, aqui é mais o contrário :P

A raiz do gengibre tem um sabor altamente forte, intenso e picante. Quando ingerido cru e mascado, deve ser consumido em minúsculas quantidades, sob pena de ficarmos a cuspir labaredas. Mas encaro a coisa da seguinte forma: é um medicamento como outro qualquer, só que sem os efeitos colaterais dos medicamentos de farmácia. 

Há quem o rale ou use em pó e misture em sumos e em alguns receitas para dar um sabor mais picante e condimentado. 

Mas se usado para fins terapêuticos o melhor é optar sempre pelo gengibre fresco (raiz de gengibre) porque nos traz imensos benefícios para a saúde e para a imunidade em geral. Com uma ação antioxidante, anti-inflamatória, antissética e antibacteriana, a raiz de gengibre ajuda a prevenir doenças e a combater a proliferação de vírus e bactérias no nosso organismo. 

Senão vejamos alguns dos seus principais benefícios:

- Combate constipações, gripes, dores de garganta, tosse, rouquidão
- Alivia problemas ligados às vias respiratórias, como asma, bronquite, catarro, congestionamento nasal
- Combate náuseas, enjoos, azia, gases intestinais, indigestão, obstipação
- Ajuda a melhorar a circulação sanguínea.
- Combate a dor de cabeça e dores musculares
- Ajuda na perda de peso

Mas existem mais...

Agora que estou fresca e fofa de novo, e ando a tentar perder peso, interessou-me a informação a respeito do gengibre poder ser um bom aliado da balança. 

Mas como é que o gengibre ajuda à perda de peso?

A informação que recolhi é que o gengibre é um alimento termogénico, isto é, promove o aumento da temperatura corporal  (lá isso é verdade, que eu já comprovei por experiência própria, e nem sequer tem que ver com o facto dele ser considerado altamente afrodisíaco :P). Ora como produz calor no nosso organismo (pudera com o sabor picante que tem) acelera o nosso metabolismo e força-o a queimar calorias. Simultaneamente, a sua ingestão tem a capacidade de controlar a ansiedade e aumentar a sensação de saciedade.

Por isso beber chá de gengibre antes das refeições pode ajudar a controlar o apetite, bem como beber após pode acelerar a digestão e a queima de calorias.

Para fazer o chá de gengibre, o recomendado é que se aqueça bem a água (não deixar ferver), se junte a seguir rodelas finas de gengibre e se deixe repousar entre 10 a 15 minutos, antes de beber.

Como disse mais atrás, idealmente deve ser consumido cru, ralado (misturado em pratos ou bebidas) ou em pequenas lascas para ser mascado (um pedacinho fininho do tamanho de uma unha é suficiente) e em chá.

Uma coisa é certa, a raiz de gengibre entrou cá em casa e veio para ficar.

Beijinhos e bom fim de semana.

segunda-feira, 23 de Setembro de 2013

Na procura do peso ideal (resultados da 3ª semana)


Resultados semanais anteriores: 

Peso: 58,2 kg
Massa Gorda: 31.4%
Massa Líquida: 50.6%
Músculos: 33.6%
Peso Ideal: 54,3 kg

Resultados semanais atuais:

Peso: 58.3 kg
Massa Gorda: 31%
Massa Líquida: 50.3%
Músculos: 33.7%
Peso Ideal: 54,3 kg   

Nem para cima nem para baixo. Nada de novo a registar.

Esta semana estive adoentada. Depois vieram as dores de garganta e o corpo em baixo de forma. E com tudo isto o exercício físico ficou em desfalque.

Ontem como já me sentia mais restabelecida, juntei-me aos treinos do P. Exercícios de cardiopower e resistência, do programa Insanity Workout. Muito puxadote. Foi suar a bom suar!

Fim do treino, fomo-nos pesar à vez. Menos 1 kg para ele, menos 100 gr para mim. Que injustiça!!!! Buhhhhh

Mas é assim, é a vida! Nada que já não soubesse. Os homens conseguem não só perder mais rapidamente peso, como mais quilos que as mulheres, com o mesmo plano de treinos. 

Claro que estes valores não são efetivos, mas relativos porque a seguir veio o almoço... Querias perder 1 kg assim de rajada, não querias???!!! Ah Ah!

Mas o que muito me tem satisfeito é ver o P. a alinhar no meu plano alimentar, enquanto eu começo a interessar-me cada vez mais pelo seu programa de exercícios. Só foi pena esta semaninha estar mais em baixo. Estamos em sintonia e isso gera entre nós uma competição saudável e uma boa entre-ajuda. 

Ainda que não tenha feito progressos (fui mais espectadora dos progressos que o P. fez no peso), continuo motivada nesta demanda do peso ideal.

Não sei se lá chego, mas estou no caminho de um estilo mais saudável, mais amigo do corpo e da mente :)

Continuo a acreditar que o melhor caminho está na reeducação dos meus hábitos.

Beijinhos e bom início de semana para vocês.

sexta-feira, 20 de Setembro de 2013

Organizar as roupas com divisórias

Assim que vi estas divisórias para roupeiro, a separar e a organizar as roupas por categorias, fiquei apaixonada.


Esta imagem é do post, "4 truques para organizar melhor as roupas", do blog da Rafaela Fajardo, "Casa Montada". Vale a pena ler o excelente post e ver as dicas desta blogger. 

Mas voltando às divisórias. Embora as minhas roupas estejam agrupadas por tipos, estou em crer que mais do que uma mariquice (que também são), as divisórias ajudam a delimitar o espaço para cada categoria de roupa e a manter o roupeiro mais organizado.

E esteticamente fica giro, fica engraçado :)

Pronto, assim que lhes pus o olho em cima fiquei logo ali a pestanejar para as divisórias. Depois disso, não as vi à venda em nenhuma loja que tenha visitado, mas talvez em lojas de artigos de bebés/crianças existam. Não sei, não procurei. Parti para a procura no Ebay. Encontrei vários modelos, inclusive as divisórias iguais às da Rafaela. Não gostei dos preços. Uma embalagem de 5 divisórias anda à volta dos 14 euros ainda sem portes de envio. Teria de comprar 2 embalagens. Achei caríssimo.


Desisti da compra e resolvi fazer eu as divisórias.

1) Peguei numa folha de papel e desenhei um modelo.


2) Recortei e passei para cartão o desenho as vezes que quis (aproveitei uma caixa grande e vazia de Nestum).


3) Por fim, forrei de um lado e do outro com restos de papel autocolate que já tinha e imprimi as categorias.


No total fiquei com 9 divisórias a custo zero e um roupeiro mais organizado e mais catita :)


Beijinhos e bom fim de semana.